A força

A riqueza construtora natural, possível para a harmonia entre as pessoas, agregada ao ser humano em sua essência, ainda não eclodiu...E paga caro por isso: Não tem sido por falta de tempo, gerações se sucederam desde os primeiros passos da escrita e dos possíveis questionamentos sobre tudo e, principalmente sobre si mesmo como criatura única. Não há como ficar indiferente com o que vem acontecendo com o povo da Síria e,  com tantas outras nações passadas e presentes, vítimas do mesmo processo sistemático de aniquilação. É preciso ter noção, estar consciente, assumir que a vaidade e a ambição nos acalantam constantemente e, que o ser humano aprenda a distinguir o diferencial da conquista pelo charme e o respeito, à conquista pela violência e tomada pela força. Aos olhos dos despercebidos passam coisas tão obvias que bastaria um pouco somente de bom uso da inteligencia e, interesse pelas causas humanas, mas com sinceridade, com amor, aquele amor que nos fizeram crer existir, fazendo jus ao intelecto não dando motivos a um provável criador em, não se arrepender de sua criação. Religiões desencadeiam conflitos às vezes mortais, e não sou eu quem o diz, a história nos mostra. Ameaça-se a vida de alguns ou elimine-as, desde que sejam cidadãos sem influencia nas decisões de um estado, nada acontece, pouco se tem realizado em prol do homem como um ser social, mas muito sendo o mesmo, tratado como uma criatura explorável seja na produção de bens, ou como um fértil produtor de valores com sua fé inabalável em um criador. A base é o poder, centraliza-se o comando e executam-se as ordens, criam-se regras e tentam controlar o destino e os costumes; aliam-se esquecendo das diferenças, mas que seja mantido o poder, não importa a camuflagem da ordem, as palavras mansas e consoladoras por um momento que farão crer aqueles que as ouvem, ser o absoluto...                                     

Podemos generalizar esta afirmação em destacar este pensamento conclusivo a respeito da condição humana em suas atitudes e reação diante de determinada circunstancia; os qualificados crimes de guerras ou qualquer forma de sofrimento provocado a outros, não encerra unicamente ao provocador, se estende por todos os adultos viventes, como sempre foi, no passado, presente e, no futuro o será igualmente...

Nenhum comentário:

Postar um comentário